PoesiaSonetos

Metalinguagem

Metalinguagem

Começo a escrever o primeiro verso,
Avalio para não perder a rima,
Vejo a métrica e, como dito acima,
Dou fim ao quarteto sem nada adverso;

Inicio, agora, o segundo quarteto,
Um desvario mantém a mente no tema,
Montando versos seguindo um teorema
Na busca por criar um belo soneto;

Já foram oito versos, este é o nono,
E as rimas são naturais, em uníssono,
Faltando os últimos versos, afinal,

O último terceto fora iniciado,
Só faltam dois versos e, texto afiado,
Culminamos, aqui, no ponto final.

Este poema faz parte do livro ainda não terminado “Sonetos que valem a pena
Metalinguagem é uma linguagem usada para descrever algo sobre outra linguagem. É quando explicamos ou expomos algo a partir dele mesmo, por exemplo: quando um pintor faz um autorretrato ou quando um poema fala dele mesmo!

Deixe um comentário